domingo, 4 de novembro de 2007

Primeira vaga

Olá a todos, este é o primeiro post do meu blog pessoal dedicado a uma das coisas que mais gosto de fazer, pescar! Nomeadamente, spinnar aos robalos.
Como primeiro post achei uma boa ideia recordar a minha noite de estreia no spinning, por isso vou "plagiar-me" a mim mesmo, trasncrevendo um post que relata essa aventura do blog onde também participo (mas que não é sobre pesca...por isso achei por bem criar este eheh) Manias e Marés...espero que gostem!

...Já me sentia cansado, com todo o corpo dorido, a mente, essa, estava num estado de extase total, uma alegria que me contagiava o corpo, e me dava força para continuar.
A cada rebentar de numa nova vaga na areia, a névoa da maresia esbatia-se sobre mim, os salpicos de espuma e água aterravam na minha cara e nas minhas mãos...eu enchia os pulmões com aquele cheiro que tanto gosto, o cheiro da maresia, o perfume da rebentação oceânica.
Há cerca de duas horas que tinha descido a falésia e posto os pés na areia da praia, a maré estava a encher, o mar trazia vagas com cerca de 2 metros, que partiam ao embater na areia, a temperatura estava amena, não corria um pingo de vento.... o mar estava de feição.
E estava mesmo, as minhas costas já se recentiam com o peso dos dois robalos de 2 e 3 kilos e das duas várias jeitosas que já lá moravam....começava bem a minha noite de estreia no spinning (com S...), uma nova modalide de pesca para mim, já tinha batido todos os meus recordes pessoais até á data, toda uma vida, tantas noites e dias perdidos a fazer das coisas que mais gosto...pescar, tanto esforço em vão, para ser numa reviravolta compensados num par de horas, ainda com a condição de maçarico...


Mas qualquer coisa dentro de mim ainda me dizia que a noite não tinha acabado. Algo iria acontecer...eu sentia que algo me iria por á prova...
Já na volta de retorno até á subida da falésia preparo-me para fazer um dos últimos lançamentos da noite, antes de lançar a amostra, ligo a lanterna e dou uma vista de olhos no seu estado...faltavam bocados de tinta, as fateixas já não picavam bem...tinha vindo para a praia nova, mas num ápice pareceu que ganhou 1 ano de uso intensivo em cima...as lutas tinham sido rijas...A pequena amostra de plástico que tão bem imitava um peixe azulado com um nadar irregular, como se estivesse ferido, ainda teria a verdadeira prova pela frente...
Desligo a lanterna, meto a amostra a cerca de 15 centimetros da ponteira da minha caninha Vega Combat spin de 3 metros, e faço um lançamento....deixo a amostra voar apesar de não a ver, quando a linha deixo de sair da bobine do carreto, fechei o mesmo e começo a recolher...
Faço o pequeno carreto Shimano Exage girar com uma velocidade certa, não muito rápido, não muito devagar....a que eu sentia que era a melhor, e ia dando pequenos toques rápidos e secos com a ponteira da cana, quase junto á areia e virado de lado para o mar...
Passaram cerca de 20 segundos..e nada,
"Mais uns 10 segundos e amostra está fora de água" pensei eu
De repente, sinto uma força a prender a amostra
"Pedra" pensei eu
Mas de repende a "pedra" ganhou vida...
Senti um aumento de pressão, e instintivamente puxei a cana para trás num movimento rápido e seco, não exagerando muito....e o que se seguiu foi música
A mais bela música que um pescador desportivo pode ouvir, o som da linha a sair do carreto a uma velocidade incrível, o "cantar" da embraiagem do carreto, enquanto o meu adversário me levava linha.
Era agora, o momento que eu tanto tinha ambicionado, que me fizera perder tantas horas, e eu tinha que lutar com ele sozinho, ele era o Mar...
Aliviei a um pouco a embraiagem, e começo a recolher linha quando o meu adversário me dava chance para tal, quando ele arrancava eu apenas rezava para que tudo se aguenta-se no sítio...
A cana vergava a cada arranque, eu sentia a força, a força de algo que não se quer prender, que não pode se pode dar ao luxo de desistir
Subitamente apercebo-me que se realmente queria tirar o que quer que estivesse do outro lado da rebentação cá para fora precisava de ajuda, com uns quantos berros chamei o meu camarada de pesca, a minha voz tremia num misto de ansiedade, alegria, adrenalina, e o medo que tudo pudesse acabar com um "TRACKK" de uma linha a partir, com o desferrar do meu adversário e com a horrivel sensação de se deixar de sentir vida do outro lado...
Fui recolhendo....quando o tinha mais próximo, ele arrancava outra vez mar adentro, e eu voltava a recolher, mas por sorte...por milagre até, apesar de ter feito uns valentes erros, consegui traze-lo até á margem, era agora a pior parte....
Uma grande faixa prateada cintila na area meio dentro de água, meio fora, eu com a ânsia de o puxar para fora de água, recolho com mais força, uma onda forma-se e cai sobre o meu adversário, sentido-se de novo no seu meio, arranca com uma força que eu ainda não tinha sentido, um arranque final...
Levou linha....mas felizmente a embraiagem do carreto e a cana fizeram o seu papel...voltei a recolher, mas desta vez depois de mais uns berros como "AJUDA-ME!" entre outros, o meu camarada já estava ao pé de mim...
...Assim que o voltei a encalhar o meu camara pricipa-se e lá consegue prende-lo, vendo a onda que aí vinha, lá consegui dando-lhe umas quantas biqueiradas po-lo acima da linha de água...
....Quando finalmente pudemos olhar bem para ele ambos ficamos supresos..
Era um enorme robalo (para mim claro...pois sei quem os tire bem maiores eheh), dos maiores que eu já tinha visto, ergo o grande peixe...o meu valoroso adversário que por vontade do destino perdeu a luta...desta vez.


Explodi de alegria....é por momentos destes....que passo horas de bom grado junto ao mar!!



Agradeço desde já ao Alexandre Alves, o meu companheiro de pesca na minha estreia, foi graças a ele que descobri o spinning, e é com ele que tenho aprendido muito, mas mesmo muito sobre o spinning e a pesca em geral, é sempre um prazer pescar contigo pah!

Até ao próximo lance!

Pedro Russo Baião

6 comentários:

António Simões disse...

Muito bom Pedro.
Estás quase lá.Um verdadeiro contador de histórias de pesca e mar.
valoriza sempre as tuas capturas com informação da cor de agua, cor da amostra, tipo de mar ect.Isso melhorará sempre as tuas narrativas.
Parabéns espero vir cá visitar-te muitas vezes

Abraço
António simões

MR disse...

Excelente descrição!!! Pedro.
Força ai com o Blog.
AB
Miguel ( rato-do-mar )

RMendes disse...

Parabens pelo blog e pela narrativa.

RMendes

Gouveia disse...

Muitos parabens,

eu no outro dia em jeito de conversa disse, que duvidava que existisse alguem que sonha se tanto com o spinning como eu, já começo a duvidar das minhas palavras,

Um abraço,

Antonio Gouveia.

Psiboy disse...

Excelente relato, é incrivel mas ao ler estas linhas arrepiei-me... É realmente por momentos destes que passamos tantas horas de maior e menor desespero no mar, ao frio e chuva. Mas vale realmente a pena.

Parabéns pela historia e pelo blogue.
Abraços e boas pescas
Dário Soares

Nobody, RM disse...

És grande! E viva a pesca puto!